Muito próximos e muito distantes

Quando eu era pequeno, meu passatempo mais maravilhoso era jogar videogame.
Para meus pais, eram apenas jogos. Para mim, eram sonhos.
Era uma viagem interdimensional. Era o passaporte para o mundo das ideias.
Era um mergulho profundo em um espaço lógico e lúdico.

Finda cada viagem, um novo André seguia o caminho de volta.
Um André mais vivido, mais preparado.
Com mais sonhos, alegrias, horizontes.

Um dia, um computador chegou até minha casa.
Era como um videogame, mas eu podia modificá-lo, instalar novas coisas.
E mais um universo se abriu para mim!
Aquelas cores, caracteres, sons… Atalhos de teclado…

Naquela época, um computador te levava a outros lugares.
Um computador não te dava respostas, te dava perguntas.
A sua imaginação preenchia as lacunas.

Um dia, ensinaram-me a programar, usando QBasic.
Nesse dia, um novo universo se abriu para mim.
Os caracteres, os sons, as cores… Agora, eu mesmo podia fazer tudo acontecer.

Agora, eu podia criar o que quisesse. Agora, eu começava a contar a estória.
Agora, eu era o narrador e o personagem principal.

Assim, eu encontrei minha profissão.

Penso nos computadores até a década de 90 como similares aos livros infantis. A história que eles contavam vinha pela metade; era você que completava a história, e fazia sua própria história. Era uma via de mão dupla.

Talvez seja isso que tenha me fascinado na Informática. Ela sempre foi, para mim, um mundo novo a ser descoberto.

E, depois, vieram muitas outras coisas: jogos por modem, internet, e-mail, ICQ… Redes sociais, MSN, Skype… (imagine, conversar com qualquer pessoa do mundo por voz e vídeo, sem precisar pagar por isso!)

Depois, vieram outros jogos, vieram aplicativos pela web como Google Docs… E, mais recentemente, veio a nuvem, o Dropbox, o Google Drive, o GitHub…

Um dia, entraram em cena os smartphones.

E, então, por algum motivo, eu não quis mais brincar.

Por algum motivo, senti que a brincadeira tinha ido longe demais. Por algum motivo, senti que as soluções começaram a surgir antes dos problemas. Por algum motivo, senti a presença de caroço nesse angu, e não o quis mais no meu almoço.

Era como se alguma coisa ruim tivesse acontecido no cenário tecnológico mundial. Alguns fantasmas começaram a assombrar o que antes parecia belo. Alguns interesses começaram a sobrepujar o que era simples. A complicação tomou conta do negócio.

De repente, toda aquela promessa de conexão entre as pessoas começou a ser descumprida. De repente, todas aquelas possibilidades maravilhosas começaram a ser esquecidas. De repente, uma enxurrada de novas manias começou a dominar as pessoas, tornando-as escravas. De repente, o sistema não ficava mais da tela para dentro, e, sim, da tela para fora. De repente, o programa começou a programar o usuário e o programador.

Alguma coisa triste se tornou o padrão. O excesso de padrões tornou a coisa triste. A coisa se entristeceu de maneira padronizada. Os fenômenos se tornaram epidêmicos, as opiniões se uniformizaram, as individualidades se apagaram. As minorias se coletivizaram, os coletivos se venderam, os robôs começaram a agir como pessoas e as pessoas começaram a agir como robôs.

Algo muito esquisito está acontecendo com os usuários da Informática, que hoje são quase todas as pessoas. As pessoas estão buscando o caminho, a verdade e a vida em pequenas caixas eletrônicas, cada vez menores e mais cansativas para a vista. As pessoas estão clicando em botões cada vez menores, escrevendo em espaços cada vez menores. As pessoas estão vivendo vidas cada vez mais virtuais.

As pessoas estão buscando a felicidade fora do endereço 127.0.0.1. As pessoas estão buscando o sucesso em modelos econômicos e administrativos que nem compreendem direito. As pessoas estão repetindo palavras cujo significado nem conhecem.

As pessoas estão falando coisas demais, estão dando opiniões demais, estão fingindo que entendem coisas que não entendem. Estão querendo ficar bem na foto, sem nem ter ficado bem no fato.

O que houve com a Informática? O que houve com as pessoas? O que houve com o mundo?

Cadê aquela inocência dos caracterezinhos coloridos em baixa resolução, que se juntavam àqueles sonzinhos simples de ondas quadradas, fazendo um esforço enorme para causar boa impressão? Cadê aqueles sitezinhos em HTML puro, todos em branco e preto, cheios de informações extremamente concisas e interessantes? Cadê aqueles joguinhos criativos que aproveitavam ao máximo aqueles 640KB de memória, proporcionando viagens fantásticas ao jogador?

Tudo parece estar tecnicamente fácil hoje em dia, mas as pessoas não parecem ter sido preparadas para isso. Elas acham que podem tudo, que devem fazer de tudo. Só que, quando pode tudo, nada vale; quando tudo é feito, nada é fato. Perde-se em relevância, falta critério, decência, limite.

Acorda, mundo! Nem tudo é interessante, nem tudo vale a pena, nem tudo é aceitável, nem tudo é bom.

Estamos vivendo uma crise de relevância no mundo. Estamos num vazio moral. Estamos sem saber direito por que acordar de manhã e dormir à noite. Estamos sofrendo de depressão. Fazemos de tudo, mas não sabemos por quê ou por quem, nem o que realmente deveria ser feito.

Estamos muito próximos de mudanças muito distantes.

Generalidades

Inovação é uma das palavras da vez. Sabe o que isso significa? Significa que, agora, tudo é inovação, qualquer coisa é inovação. Afinal, ninguém quer ser considerado não-inovador, retrógrado, obsoleto.

O mesmo ocorre com a expressão em inglês full-stack developer. Sabe o que é um full-stack developer? Se você for da área de Informática, talvez saiba: um full-stack developer é um desenvolvedor de software capaz de trabalhar com desde o software que roda nos servidores (lidando com Java, Ruby, Python, PHP etc.) até o software que roda nos clientes (lidando com HTML, CSS e JavaScript).

É engraçado, porque, quando eu era mais novo, as pessoas que sabiam mexer com um pouco de tudo eram chamadas de outros nomes; eu me lembro da palavra generalista. Mas tinha uma diferença: ninguém se tornava melhor que os outros por ser generalista. Então, era uma coisa simples, um título sem nenhum juízo de valor, algo como você usar uma camiseta azul e o seu amiguinho usar uma camiseta verde.

Mas parece que as coisas mudaram no mundo… Parece que, hoje em dia, cada vez mais as pessoas querem ter títulos. E não são nem títulos acadêmicos, conquistados com muito suor; são títulos que as pessoas dão para si mesmas, tornando-se pessoas autointituladas.

Num mundo em que todos os desenvolvedores são full-stack developers, quem é que quer ser um desenvolvedor de meia-tigela? Num mundo em que todas as empresas são inovadoras, quem é que quer ser retrógrado?

Isso tudo me lembra do que o Kent Beck disse, no livro de TDD. Ele disse que aprendeu o seguinte: o sucesso de um nome novo depende muito de que o contrário dele seja negativo. Então, a programação estruturada fez bastante sucesso em parte porque ninguém queria ser desestruturado. Aí, ele escolheu o nome Test-Driven Development (Desenvolvimento Guiado por Testes), pois todo mundo iria querer ser guiado por alguma coisa.

Talvez, pior ainda do que ser meia-tigela ou retrógrado seja não ter título nenhum. Talvez, se você for apenas um desenvolvedor, ou apenas uma empresa (e não uma startup nem nada parecido), você esteja completamente fora de moda. Com isso, talvez você esteja automaticamente fora do mercado, não importando se você faça bem o seu trabalho ou não, não importando se você trate bem seus funcionários ou não. Aliás, tratar bem os funcionários só faz sentido se você puder dar um nome pomposo para isso e colocar no seu site para poder ganhar uns clientes, não é mesmo?

Pensando bem, talvez isso tudo não seja coisa de hoje em dia. Talvez seja apenas aquela retrógrada ideia de manter as aparências, uma coisa tão velha quanto o mundo. Talvez faça parte do ser humano… Se ele quiser que faça.